Artistas sertanejos traem seu público e pedem o fim da meia-entrada em shows

0

O ato que pediu o fim da meia-entrada contou com a presença das duplas Bruno e Marrone e Cesar Menoti e Fabiano, além de Cristiano (da dupla com Zé Neto) entre outros

O presidente Jair Bolsonaro recebeu nesta quarta-feira (29), o apoio de uma série de cantores sertanejos e prometeu acabar com a meia-entrada em shows.

Bolsonaro disse que sempre foi “apaixonado por música sertaneja” e se comprometeu a ajudar ao ouvir um pedido pelo fim da cobrança de meia-entrada.

A meia-entrada para espetáculos artístico-culturais e esportivos é garantida por lei federal de 2013. Ele também defendeu mudanças nas regras de cobrança de direitos autorais.

Entre os artistas que estavam presentes no evento que pede o fim da meia-entrada estavam: Bia Ferraz,  Breno Ferreira,  Bruno e Marrone,  Cesar Menoti e Fabiano, Cleber e Cauan, Cuiabano Lima, Dipaulo e Paulino, Duduca e Dalvan, Durval e Davi, Edu Braga, Gian e Giovani, Gilberto e Gilmar,  Henrique e Juliano, Héster e Helena, Hugo e Guilherme,  Israel Novaes, Jads e Jadson, Jefferson Moraes, João Neto e Frederico, João Reis, Kleo di Bah, Matheus e Kauan, Marcos Brasil, Marcus Paulo e Marcelo, Max e Luan, Paraná, Paulo Pires, Racine e Rafael, Rejane Carminati, Os Parazinhos, Saynara Power Santana, Teodoro e Sampaio
e Zé Henrique e Gabriel

Bolsonaro prometeu ajudar os cantores sertanejos

Mas sem dar detalhes, o presidente também prometeu trabalhar por pleitos apresentados pelo segmento, seja por meio de decretos ou por projetos de lei. Ele disse que atenderá os pedidos desde que não seja encontrado “óbice jurídico ou constitucional”.

Entretanto, Doreni Caramori, presidente da Abrape (Associação Brasileira dos Promotores de Eventos).

Caramori pediu em seu discurso o fim da cobrança de meia-entrada, que hoje beneficia estudantes, idosos, pessoas com deficiência e jovens de baixa renda.

Meio-livro não existe. Não existe meia-bicicleta, meio-caderno. Tem uma série de meios que estimulam a cultura que não são vendidos pela metade do preço. Não pode o Estado brasileiro intervir na economia e tomar 50% da receita de determinados setores sem nenhum tipo de compensação. Precisamos corrigir essa injustiça histórica”, afirmou.

Mas além disso, o locutor de rodeios Cuiabano Lima também discursou no evento e entregou uma carta de apoio ao presidente, assinada por artistas sertanejos.

Os artistas sertanejos, que percorrem todos os cantos desse grandioso Brasil e vivenciam todos os dilemas e dificuldades do povo brasileiro, encontraram no governo do presidente Bolsonaro essa postura de um governante que trabalha em prol de seu povo, de seu país”, diz o documento.

Deixe uma resposta