Após Zezé Di Camargo defender voto impresso, projeto é derrotado: Veja o que pode acontecer agora

Mesmo com apelo de Zezé Di Camargo e manifestação pública, projeto de voto impresso é derrotado e plano de Bolsonaro vai por água abaixo

Uma polêmica na política tem movimentado a internet nos últimos dias após o presidente Jair Bolsonaro alegar que queria o fim da urna eletrônica e a volta do voto impresso em 2022, o que dividiu opiniões nas redes sociais. Entre os cantores sertanejos, Zezé Di Camargo se pronunciou a favor da medida e convidou a população para uma manifestação a favor de Bolsonaro, o que gerou revolta em boa parte dos fãs que detonaram sua atitude.

Após muitos questionamentos de como funciona o voto impresso e se a urna eletrônica é segura, Zezé Di Camargo, que teve sua fortuna exposta recentemente, resolveu abrir o jogo e tentou tirar as dúvidas dos fãs em um vídeo publicado no seu Instagram. O cantor sertanejo, que sofre com boatos de separação de irmão Luciano e pode colocar um fim na dupla após o show “Amigos, reafirmou seu apoio a Bolsonaro em um vídeo e gerou muita polêmica nas redes sociais.

“Eu queria fazer uma pergunta para aqueles que são contra. Por que vocês são contra? (…) “Vocês que estão me assistindo, agora, sabe o que é voto auditável? Voto auditável quer dizer que você tem a chance de conferir se a pessoa em quem você votou realmente vai ser computado no nome dela o voto”, disparou o cantor .

Assista ao vídeo abaixo no canal oficial do Movimento Country:

Assuntos Relacionados 

No entanto, após dúvidas do público sobre o que é voto impresso e se ele é seguro,  tanto esforço e apelo de Zezé Di Camargo e outros famosos foi por água abaixo pois a proposta para acabar com a urna eletrônica em 2022 acabou sendo barrada no congresso, ou seja, não vai acontecer em 2022. Para a infelicidade de Zezé e outros sertanejos, a urna eletrônica continua sendo usada em 2022. Confira mais detalhes abaixo.

Proposta de voto impresso foi barrada na câmara

(Foto: Reprodução Instagram)
(Foto: Reprodução Instagram)

Nesta quinta-feira (05), a proposta apresentada pelo deputado Filipe Barros e acabou sendo derrotada pela câmara dos deputados por 23 votos a 11, o que impediu o plano – no mínimo maluco – de seguir adiante. O plano é uma derrota para Jair Bolsonaro que acusou as urnas eletrônicas de serem fraudulentas, mesmo sem apresentar nenhuma prova quanto a isso.

Dessa forma, segundo alguns deputados votantes do projeto, pode-se considerar extinta a possibilidade do voto impresso para 2022, mas o projeto pode voltar a ser discutido no ano seguinte: “O momento político foi contaminado pelo presidente Bolsonaro com declarações intempestivas, ofensivas a ministros do TSE, do Supremo. Contaminou a discussão. Quem sabe mais à frente, com menos paixões e mais racionalidade, convidando os tribunais a participarem de forma colaborativa com a discussão, é possível sim resgatar (o tema)”, afirmou o deputado Fábio Trad à BBC.

No meio disso tudo, Zezé Di Camargo viu seus planos serem frustrados após compartilhar um vídeo apoiando o voto auditável que dividiu muitas opiniões nas redes sociais e gerou muitas críticas à sua postura bolsonarista.

Ao convocar extremistas para manifestação pró-Bolsonaro  que aconteceu no dia 1º de agosto, Zezé gerou revolta. A comediante Dadá Coelho afirmou: “Que morte horrível do Zezé Di Camargo. Rapaz! Zezé di Camargo fazendo vídeo em apoio ao voto impresso inacrê”. Já um internauta foi ainda mais longe e declarou: “Esqueceram de avisar ao Zezé di Camargo que ele não tem voz nem pra cantar, imagine pra convocar o povo pra manifestação em prol de voto impresso”.