Simone e Simaria lutam para reencontrar o corpo do pai

Simone e Simaria se emocionam ao relembrar a morte do pai
0 973

Simone e Simaria relembraram a morte do pai durante o quadro “Arquivo Confidencial” do Domingão do Faustão

A dupla não conseguiu segurar as lágrimas com os depoimentos noArquivo Confidencial, doDomingão do Faustão. As duas relembraram o início da carreira e a juventude durante o programa. Um dos momentos mais emocionantes foi quando falaram do pai, que faleceu quando ainda eram crianças.

“Nosso pai morreu no Mato Grosso e foi enterrado como indigente, porque a gente não tinha condição”, disse ela. Faustão completou dizendo que ele era garimpeiro para sustentar a família e teve um mal súbito.

Depois disso, a vida de Simone e Simaria mudou muito. Elas foram morar com a avó no nordeste enquanto a mãe foi trabalhar sozinha em São Paulo para enviar dinheiro para a família. “Eu fiquei três anos sem ver meus filhos. Na hora do café eu chorava, na hora do almoço, da jantar. Eu ficava pensando: ‘Será que meus filhos comeram?’. Assim que eu mandei buscá-las, eu fui mandada embora do restaurante em que eu estava trabalhando. Foi quando apareceu o Frank Aguiar, e elas começaram a cantar com ele. E as coisas foram melhorando. Mas foi muita coisa difícil que a gente passou”, disse a mãe delas.

A morte do pai

Antonio, pai da as artistas, foi sepultado como indigente porque, na época, a família não tinha dinheiro para o enterro. As irmãs revelaram que já pediram a exumação de dois corpos. Mas os restos mortais de ambos não eram do pai das cantoras.

“A gente não tinha nada. Nós morávamos em uma casa de tábua no meio do Garimpo do Arroz. Um lugar muito perigoso e todo dia a gente via pessoas mortas. Nosso pai estava ali tentando achar uma pedra. Aquele sonho de nordestino de achar uma pedra e salvar a família. A gente morava ali por isso”, recordou, emocionada, Simaria.

Ainda na entrevista concedida à rádio O Dia em 2016, a artista contou como descobriu a morte de Antonio. “Ele foi tomar banho e minha mãe chamou. Meu pai era assim: quando você chamava e ele atendia logo. Ele não respondeu e quando eu fui ver ele tava deitado no chão. Lembro até hoje. A água caindo nos pés, como se tivesse sentido alguma dor”, acrescentou a cantora. “Tinha 8 anos e foram os amigos que compraram o caixão e ajudaram a fazer o enterro”, completou Simone.

“Hoje a gente briga na Justiça para achar o corpo e fazer tudo direitinho”, explicou. Já Simaria ressaltou que a maior dificuldade deve-se ao tempo que passou desde a morte do pai. “São anos. Faltavam cinco dias para o meu aniversário de 12 anos. E eu nesse correria louca não consegui parar para resolver. Depende da Justiça que determina um dia para poder exumar”, finalizou, emocionada.

Simone e Simaria apresentaram a sua nova música “Aperte o Play que foi lançada oficialmente na última sexta-feira, nas plataformas digitais, antes de participarem do quadro “Arquivo Confidêncial” no último domingo.

Comentários
Loading...