Saiba quanto Gusttavo Lima gasta para ter as suas músicas nas rádios

27.368

O cantor sertanejo Gusttavo Lima está comemorando 13 semanas no ranking das rádios de todo o Brasil com a música “Termina Comigo Antes

Gusttavo Lima é atualmente dono do maior cachê do Brasil, avaliado entre R$ 800 mil a R$ 1,2 milhão e foi centro das atenções no escândalo da CPI do Sertanejo, que escancarou valores milionários de cachês pagos com dinheiro público pelas prefeituras.

A polêmica não foi suficiente para ofuscar as conquistas do cantor sertanejo, que tem acumulado uma verdadeira fortuna nos negócios fora da música, através do seu frigorífico, da sua grife de moda ou da sua bebida, o Vermelhão, lançado recentemente.

Além disso o “Embaixador” está comemorando o sucesso da sua música “Termina Comigo Antes”, que está há 13 semanas no ranking das músicas sertanejas mais tocadas nas emissoras de rádios do Brasil, e 6 semanas em primeiro lugar absoluto.

Mas a música não está tocando para atender a legião de fãs do marido de Andressa Suita, mas sim porque existe um mercado chamado “jabá”, onde quem paga toca. A prática é imoral, principalmente tratando-se de emissoras de rádios AM/FM cuja concessão é pública, embora a administração seja privada.

O Movimento Country apurou com pessoas especializadas no mercado que afirmaram que Gusttavo Lima gasta cerca de R$1.2 milhão de reais por mês para manter suas músicas nas rádios. Este investimento vai desde dinheiro em espécie para as emissoras como sorteios de brindes usados para fidelizar o ouvinte e cativar o fã.

Agenda do cantor de 2022 foi vendida por uma fortuna

(Foto: Reprodução/Internet)
(Foto: Reprodução/Internet)

Mais um capítulo sobre supostas irregularidades na contratação dos shows milionários do cantor Gusttavo Lima. A empresa For Even está sendo investigada por supostamente usar dinheiro do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento) para financiar os shows do cantor sertanejo.

Em nota, o banco esclareceu que é cotista do Fundo de Crédito denominado XP MPME I FIC FIDC (“FIC FIDC XP”). Participam do fundo, como gestora a XP, e como fintechs a One7 e a Acqio, e não há outro fundo que envolva qualquer uma dessas instituições que conte com a participação do BNDES.

A instituição também informou que a empresa do cantor sertanejo, a Balada Eventos e Produções, contratou seus empréstimos em novembro de 2018 e março de 2019 para financiar a compra de um ônibus. No entanto, o fundo de investimento teria pagado cerca de R$520 mil por cada apresentação do cantor, que estariam sendo negociadas na maioria das vezes pelo dobro do preço pago para o cantor.

Só nas últimas semanas, foram divulgados cachês de R$ 1 milhão, R$ 800 mil, R$ 704 mil e até R$ 1,2 milhão para o cantor sertanejo em prefeituras do interior, todos acima do valor acordado com o fundo de investimentos no momento da compra.

O Movimento Country apurou também que algumas empresas que são responsáveis por vender o show do sertanejo estariam impossibilitadas de fazer a negociação com prefeituras, por irregularidades e débitos com a Receita Federal. Procurada pelo Movimento Country, a assessoria de imprensa de Gusttavo Lima não se manifestou sobre as investigações da chamada CPI do Sertanejo.