Eduardo Costa pode ser preso por estelionato após dar prejuízo de R$10 milhões

O cantor sertanejo Eduardo Costa está sendo acusado de estelionato e pode acabar atrás das grades após causar um prejuízo milionário

No ano passado Eduardo Costa foi acionado pela justiça por causa da venda da sua mansão na Pampulha. No contrato de venda realizado em 2015 o sertanejo oferecia alguns bens como forma de pagamento. Entre os bens do cantos estavam uma Ferrari, uma lancha, uma moto aquática e a mansão do cantor localizada em Capitólio.

Na ação que corre na justiça, o comprador acusa Costa de ocultar fatos importantes durante as negociações. Entre elas uma restrição em sua mansão oferecida na troca.

A mansão avaliada em mais de R$6 milhões de reais teria sido construída de forma irregular em um terreno que pertence à União. As informações contam no processo movido pelo Ministério Público Federal  e pela empresa Furnas Centrais Elétricas.

No entanto os atuais proprietários alegam que foram lesados, porque agora os órgãos públicos solicitam a demolição de parte da área construída. Fato que o sertanejo teria ocultado durante as negociações.

Além disso negociação pode ter causado um prejuízo milionário aos compradores que pode ultrapassar a marca de R$10 milhões de reais.

Eduardo Costa envolveu o cantor Marrone no processo

Marrone foi convocado a depor como testemunha
Marrone foi convocado a depor como testemunha

O cantor Marrone, que faz dupla com Bruno, foi convocado a depor pelo advogado Arnaldo Soares após ele ter comprado uma Ferrari avaliada em aproximadamente R$ 1,1 milhão, que estava envolvida na negociação entre as partes. “

Antes do casal ver o carro, por questões de dias, Eduardo Costa teria convencido eles a venderem mais barata, porque tinha um comprador por R$ 800 mil. Houve uma transação direta entre o Marrone e o Eduardo”, explica o defensor.

O depoimento dele é justamente para explicar isso. A gente só soube depois que o carro valia mais de R$ 1 milhão. Na época disseram que a Ferrari estava em revisão em Uberaba”, disse Soares ao portal G1

Comentários