Cantor sertanejo é preso após manter ex mulher em cárcere privado por mais de 12 horas

Cantor sertanejo João Lima chegou a obrigar a ex mulher a escrever carta de despedida para os filhos e foi preso em flagrante

O cantor sertanejo João Lima foi preso no bairro Sussuarana, em Salvador (BA), após manter a ex mulher em cárcere privado por mais de 12 horas na última segunda-feira (20). Segundo informações da delegada Bianca Andrade, que já colheu os depoimentos da vítima e do suspeito, o músico cometeu diversas agressões contra Flávia Souza, de 30 anos.

Além dos quatros crimes pelos quais ele foi autuado em flagrante, o cantor sertanejo exigiu que a vítima escrevesse uma carta de despedida para seus familiares e filhos. “Ela apresentou muitos hematomas e lesões em várias regiões do corpo. Ela disse que foi ameaçada – e ele confessou no interrogatório. Ele a obrigou a escrever uma carta se despedindo dos filhos e familiares [afirmando] ‘porque você vai morrer'”, disse a delegada.

Assuntos Relacionados 

O suspeito também chegou a gravar as ameaças enquanto mantinha Flávia em cárcere privado e agora, está preso na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam), em Brotas, enquanto aguarda transferência para o sistema prisional. Os crimes autuados foram de extorsão mediante sequestro, cárcere privado, ameaça e lesão corporal.

O suspeito foi convencido por policias a libertar a ex companheira embora tivesse exigido que não queria negociar a liberação da vítima com as autoridades. Enquanto a mantinha sob seu domínio, o cantor sertanejo exigiu o pagamento de uma dívida de R$10 mil e a presença de um pastor para que soltasse Flávia mas, acabou cedendo.

João Lima e a vítima tiveram dois filhos, que no momento da ação violenta estavam na casa da avó, mãe da vítima. Ainda de acordo com a delegada responsável pelo caso, o cantor não demonstrou arrependimento pela violência praticada contra a ex companheira mas sim, preocupação pelo futuro de sua carreira.

“Em momento algum ele se mostrou arrependido. Estava preocupado apenas com a carreira dele, não pelo que havia feito com a ex-companheira. Que, diga-se de passagem, estava separado há três meses. Em momento algum se preocupou com a condição da vítima, com lesões em várias partes do corpo, sofrendo muito, dizendo que estava com dores”, revelou a delegada, que ressaltou a importância das mulheres terem coragem de denunciar seus agressores.

Cantor sertanejo acusa policial de agressão e diz que foi torturado

(Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)
(Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal)

Bomba! O cantor sertanejo Warley Carvalho e sua esposa Deborah Coelho fizeram uma denúncia à Polícia Militar de Senador Conedo, na região metropolitana de Goiânia, alegando que teriam sido agredidos e torturados por um policial local. As agressões teriam acontecido nos dias 3 e 4 de setembro, mas só optaram por denunciar agora porque estariam com medo.

Em um vídeo divulgado pelo G1, Warley alega que, devido à paralisação dos shows, comprou um caminhão junto com um sócio para fazer entrega de combustíveis e passou a prestar serviços para uma empresa que tem o seu irmão como gerente. Foi aí que, no último dia 3 de setembro, um cliente reclamou que uma das entregas feitas pelo cantor teriam chegado com 2 mil litros de diesel a menos, ou seja, teria sido furtado.

O cantor que tem mais de 60 mil seguidores em seu Instagram ainda diz que a dona da empresa teria chamado seu marido, que é tenente da PM, e ele já chegou o algemando, agredindo com chutes e socos e teria até colocado um saco em sua cabeça, além de uma toalha com água na intenção de afogá-lo. Warley relata que, após ser muito torturado, chegou a desmaiar e acabou dizendo que tinha cometido o crime e para quem supostamente teria vendido o diesel.

Já no boletim de ocorrência registrado pelos PMs, é alegado que Warley resistiu à prisão e “quando estava mais calmo” confessou o crime. O cantor alega que foi torturado para confessar o crime que, segundo ele, não teria cometido. Ele teve a fiança paga e foi solto, mas no dia seguinte foi atrás das provas de que seria inocente, mas sua esposa acabou sendo agredida pelo mesmo policial e quase levou um tiro no rosto. A empresa que o cantor trabalhava diz que tem provas do furto, e o processo judicial corre na Justiça, mas o policial militar já foi ouvido, assim como algumas testemunhas.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Acreditamos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais