Sem shows, cantor sertanejo famoso tem falência decretada e vira caminhoneiro

13

Cantor sertanejo, dono do sucesso “Galopeira“, recebe auxílio emergencial e vira caminhoneiro após ficar sem shows na pandemia

A crise financeira instaurada pela pandemia e a falta de shows tem tirado o sono dos cantores sertanejos, que optaram por demitir seus funcionários, com exceção de Gusttavo Lima, e tiveram que tomar atitude drástica para poder sobreviver sem sua principal fonte de renda, principalmente os que não tem tanta popularidade.

Esse foi o caso do cantor Donizeti Camargo, conhecido pelo hit “Galopeira” nos anos 80, que é lembrado até hoje como um dos maiores clássicos da música sertaneja. Sem shows desde março de 2020, o cantor precisou trocar os palcos pela profissão de caminhoneiro para conseguir manter o sustento de sua família, que vive em Piracicaba (SP).

Em entrevista ao F5, Donizeti fez um desabafo sobre sua situação financeira e alegou que cobrava cerca de R$ 15 mil por cada apresentação, tendo uma média de dois a três shows por final de semana, incluindo casas noturnas, rodeios e festas em geral.

A crise fez o cantor sertanejo procurar emprego no rádio e TV local, onde chegou a apresentar o programa “Especial Sertanejo” pela TV Record no auge de sua carreira, mas não conseguiu em nenhum lugar devido à exigência de ter um patrocínio de, pelo menos, 50 mil reais para conseguir um horário. Sem alternativa, Donizeti recorreu até ao auxílio emergencial do governo.

Assuntos Relacionados

“Vou ser sincero. O auxílio emergencial foi só realmente para me dar uma ajuda para colocar comida em casa”, alegou na entrevista. Então o cantor sertanejo conseguiu uma indicação do irmão para trabalhar como caminhoneiro, o que se tornou sua ocupação desde setembro de 2020: “Para mim não foi difícil me adaptar, hoje é meu ganha pão neste momento da pandemia. Como eu não posso trabalhar com shows, eles pararam, eu estou caminhoneiro”, declarou Donizeti.

Crise fez sertanejos demitirem funcionários

(Foto: Divulgação)
(Foto: Divulgação)

Entre o time de artistas de peso que demitiram seus funcionários, Naiara Azevedo se destaca com 140 funcionários colocados na rua. A cantora sertaneja, que participou de almoço com Bolsonaro para pedir socorro ao ramo do entretenimento, chegou a alegar que recontrataria os funcionários da NA Produções em setembro com a volta dos shows, mas ainda estamos paralisados.

Marília Mendonça foi outra que optou por demitir seus funcionários. A sertaneja, que vinha de uma paralisação por causa do nascimento de seu filho, resolveu dispensar cerca de 30 funcionários devido a crise financeira instaurada pelo tempo que ficou sem se apresentar ao vivo. A rainha das lives, como está conhecida pelo seus recordes de público, gerou polêmica com a demissão por ter se consagrado como uma das que mais faturaram na pandemia, mesmo sem shows.

Luan Santana foi outro dos cantores sertanejos que “virou as costas” para os funcionários. O sertanejo demitiu dezenas deles e, na época, alegou que “desejava que todos pudessem ter acesso a direitos trabalhistas para conseguir se manter enquanto os shows não estão autorizados a volta”.

O mesmo aconteceu com Gustavo Mioto, que demitiu todos seus funcionários, incluindo motorista e equipe técnica. O cantor sertanejo, que teve a música mais tocada das rádios em 2020, alegou que iria recontratá-los após a crise. Só não contava que ela duraria tanto tempo.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Acreditamos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais