23 anos da morte de Leandro: Relembre a trajetória de sucesso do cantor

Cantor sertanejo Leandro, dupla de Leonardo, faleceu há 23 anos, em São Paulo, após uma curta e dolorosa batalha contra um câncer raro no pulmão

O sertanejo Leandro, irmão e dupla de Leonardo, tinha apenas 36 anos quando perdeu a batalha contra um câncer raro de pulmão e morreu no dia 23 de junho de 1998, em pleno auge do sucesso da dupla, que marcou a história da música sertaneja no Brasil e deve ganhar documentário na Globoplay.

+ Crônica: Não Aprendi Dizer Adeus: O trágico dia em que perdemos Leandro

Aos olhos do grande público Leandro parecia ser calado, especialmente ao lado do irmão Leonardo, sempre falante e extrovertido. Leandro era, na verdade, tímido com os fãs, mas brincalhão com os amigos e familiares. Juntos, formaram uma dupla de enorme sucesso, que ganhou os corações dos brasileiros, mas foi interrompida apenas dois meses depois da descoberta da doença.

Nascido em 15 de agosto de 1961 e criado com os outros sete irmãos na pequena Goianápolis, em Goiás, capital brasileira do tomate, Luiz José da Costa, como foi batizado, era descrito como um homem reservado com estranhos e de hábitos muito simples, como pescar e jogar baralho.

Ainda menino, trabalhou como boia-fria e passava longo tempo ouvindo os ídolos Chitãozinho e Xororó ao lado do irmão Emival Eterno da Costa, que mais tarde viria a ser sua dupla, sob o nome artístico de Leonardo. Teve como principal incentivador o pai, o lavrador Avelino Virgulino da Costa, sempre acompanhado de um violão.

Leandro foi o primeiro a perceber sua vocação para a música e chegou a ser vocalista de uma banda chamada “Os Dominantes”, que fazia covers de músicas de Roberto Carlos. Posteriormente, no começo dos anos 1980, Leandro e o irmão mais novo já tocavam em bares em cidades pequenas do Estado natal, seguindo o estilo sertanejo que os tornou conhecidos.

Assuntos Relacionados

Para se dedicar à carreira, Luiz José e Emival se mudaram para Goiânia, onde conseguiram empregos para se sustentar, mas todo o tempo que tinham livre era dedicado aos ensaios e a pequenos shows. A dupla Leandro e Leonardo nasceu, oficialmente, em 1983, e, no ano seguinte, lançaram o primeiro disco, com vendagem modesta.

O sucesso comercial veio apenas quando uma fita com a canção “Entre Tapas e Beijos”, que viria a ser um dos maiores êxitos da carreira da dupla, chegou ao conhecimento dos diretores da gravadora Continental, que ficaram impressionados com o talento dos irmãos. A canção foi lançada em 1989 e estourou nas rádios de todo o país.

No ano seguinte, Leandro e Leonardo gravaram sua música mais conhecida, “Pense em Mim”, um hino sertanejo que resiste à passagem do tempo. Depois do sucesso estrondoso, a dupla ganhou projeção nacional, mas manteve a personalidade que os familiares e amigos conheciam desde a infância.

Apesar da conhecida timidez com os fãs e diante das grandes multidões, Leandro era encantador em cima do palco e possuía uma das mais belas segundas vozes do sertanejo nacional. Até os dias de hoje, outros “segundeiros” revelam se inspirar no seu jeito de cantar.

Críticos e profissionais de música afirmam que Leandro e Leonardo foram inovadores em seu tempo, pois trouxeram às paradas um sertanejo mais moderno, que foi sucesso de público e de vendas, uma vez que ao longo de 15 anos de carreira, a dupla vendeu impressionantes 10 milhões de discos.

Ao lado do irmão Leonardo e das duplas Zezé Di Camargo e Luciano e Chitãozinho e Xororó, Leandro fez parte dos cantores do projeto “Amigos”, da Rede Globo, que posteriormente rendeu shows pelos quatro cantos do Brasil. Há nova turnê do projeto “Amigos”, infelizmente sem Leandro, prevista para acontecer em 2022, em um contexto pós pandemia de Covid-19.

Doença interrompeu a vida de luta e superação de Leandro

(Foto: Reprodução Internet)
(Foto: Reprodução Internet)

Leandro percebeu que havia algo errado com sua saúde durante dias de folga com amigos em sua fazenda no Tocantins, em abril de 1998. Na ocasião, reclamou de dores no peito enquanto pescava. Após voltar a São Paulo, sentiu-se mal novamente e buscou ajuda médica.

Um exame de imagem revelou uma grande mancha em seu pulmão direito e, em 21 de abril daquele ano, Leandro recebeu o diagnóstico de tumor de Askin, um tipo agressivo e raro de câncer, uma vez que, até então, era apenas o sexto caso conhecido no mundo em adultos. Leandro optou por se tratar em São Paulo, cidade onde morava.

Na manhã do dia 23 de junho de 1998, porém, durante da Copa do Mundo de Futebol, na França, foi divulgada a notícia da morte do cantor, após uma semana internado. O Brasil, em choque, parou para acompanhar a despedida ao ídolo, que deixou saudades e, mesmo tantos anos após seu falecimento, permanece vivo nos corações de muitos fãs da música sertaneja.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Acreditamos que você está ok com isso, mas você pode cancelar se desejar. Aceitar Leia Mais