Celebridades

Vídeo da necrópsia de Cristiano Araújo é liberado pela Justiça

O Tribunal de Justiça de Goiás (TJ-GO) derrubou a liminar que obrigava o Facebook a retirar do site vídeos que exibiam a necropsia do cantor Cristiano Araújo.


O cantor foi morto em um acidente de carro na BR-153 junto com a namorada, há dois anos.

A decisão foi tomada sob a justificativa de que o monitoramento prévio de conteúdo postado em redes sociais equivale a censura, proibida pela Constituição. O Facebook também se opôs ao trecho da decisão que determina o bloqueio dos vídeos no WhatsApp, aplicativo do qual a empresa é dona.

A defesa da família do cantor, no entanto, alega que houve um erro técnico na decisão e que havia pedido o bloqueio de “hash”, que é uma forma de identificar um conteúdo sempre que é postado. O YouTube e o Facebook usam o bloqueio de “hash” para conter vídeos de violência, pornografia infantil e apologia ao terrorismo.

Em 2015, um juiz de Goiânia determinou que Google e Facebook retirassem o conteúdo do ar. Mas a ação foi extinta por falta de legitimidade, já que quem entrou com o processo foi a empresa que administrava os direitos de imagem do cantor, e não a família.

O ACIDENTE
O acidente aconteceu no dia 24 de junho de 2015, na BR-153, em Morrinhos, quando o sertanejo voltava para Goiânia após um show em Itumbiara, no sul do estado. Além dos namorados, também estavam no veículo, uma Range Rover, o motorista, Ronaldo Miranda, e o empresário Victor Leonardo. Os dois últimos ficaram feridos, mas deixaram o hospital dias depois.
O motorista perdeu o controle do veículo por volta das 3h10 daquela madrugada, 21 minutos após fazer uma parada em um posto de combustíveis. O carro saiu da pista e capotou.
O casal viajava no banco traseiro. Allana, na época com 19 anos, morreu no local. Já o cantor, de 29, foi socorrido e levado para o Hospital Municipal de Morrinhos. Depois, o transferiram em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Móvel até Goiânia. Assim que chegou à capital, ele foi levado em um helicóptero ao Hospital de Urgências de Goiânia (Hugo). Apesar dos esforços para socorrê-lo, Cristiano Araújo não resistiu aos ferimentos.
Dados recolhidos da “caixa preta” do veículo mostram que o carro estava em alta velocidade. Além disso, o casal não usava cinto de segurança.
O delegado responsável por investigar o acidente, Fabiano Henrique Jacomelis, concluiu que o motorista foi negligente e imprudente, mas não cometeu o ato intencionalmente. Por isso, a Polícia Civil indiciou Ronaldo por duplo homicídio culposo, quando não há intenção de matar.
O Ministério Público Estadual fez a denúncia do crime, que foi acatada pelo juiz Diego Custódio Borges, da Comarca de Morrinhos, em setembro de 2015. No dia 4 de julho de 2017, o motorista passou por audiência de instrução e julgamento. Na ocasião, ele alegou que o veículo estava a 120 km/h, e não a 179 km/h conforme um dos laudos divulgados pela Polícia Civil.
Ronaldo Miranda também se emocionou durante a audiência e não quis falar com a imprensa. O advogado dele, Ricardo Oliveira, defendeu que o cliente também é vítima do que considera uma fatalidade: “Espero que seja absolvido”. Ainda não há sentença do caso.

About the author

Hedmilton Rodrigues

Sócio Fundador do portal Movimento Country, no ar desde 19 de setembro de 1999.

Add Comment

Click here to post a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *