Sem categoria

Biografia do cantor Almir Sater

Almir Sater nasceu em Campo Grande (MS) em 1956. Com 20 anos, saiu da cidade natal para estudar direito no Rio de Janeiro. Um dia, no largo do Machado, encantou-se com o som de uma viola caipira tocada por uma dupla mineira.


Então, Almir Sater desistiu da carreira de advogado e voltou para o Mato Grosso. Tinha um ideal, ser músico e então começou a seguir Tião Carreiro, violeiro que foi seu mestre.
Na volta para Campo Grande, formou com um amigo (Maurico Barros Almeida) a dupla Lupe e Lampião. Em 1979, conheceu em São Paulo a conterrânea Tetê Espíndola, líder do grupo Lírio Selvagem. Participou do Festival de Música da Rede Globo MPB Shell, com a música Varandas. Gravou o primeiro disco na Continental, Almir Sater, em 1981.
O segundo, Doma (1982, RGE), marcou o encontro com o parceiro Paulo Simões. Em 1984 formou a Comitiva Esperança, juntamente com seu novo parceiro e José Gomes, que durante três meses percorreu mais de mil quilômetros do Pantanal, pesquisando costumes e a música do povo mato-grossense. O trabalho resultou num filme de média-metragem, lançado em 1985, e o elogiado Almir Sater Instrumental (1985, Som da Gente), que misturava gêneros regionais – cururus, maxixes, chamamés, arrasta-pés – com sonoridades urbanas.
Em 1986 lançou Cria (3M), inaugurando parceria com Renato Teixeira, com quem compôs, entre outras, Trem de Lata e Missões Naturais. Em 1989 gravou em Nashville (EUA) o disco Rasta Bonito (1989, Continental), encontro da viola caipira com o banjo norte-americano. Nesse ano, tocou também no Free Jazz Festival, junto com músicos renomados do Jazz e do Blues.

Em 1990, fora convidado para trabalhar na novela Pantanal, pelo autor Benedito Ruy Barbosa, da TV Manchete, projetou-se nacionalmente, embora sua participação fosse pequena, suas composições como Comitiva Esperança (cantada com Sérgio Reis), Um Violeiro Toca (gravada por Renato Teixeira) e Tocando em Frente (gravada por Maria Bethânia) estouravam nas paradas.
A viola ganha espaço no horário nobre da tv com a atuação deste excelente instrumentista como um dos galãs, na novela Pantanal, desmistificando a imagem do violeiro como caipirão, estilo “Jeca-Tatu” ou Mazzaropi. Resgatando o interesse e o valor da música de raiz, com a inclusão de algumas de suas gravações na trilha sonora dessa novela.
Depois dessa participação, emendou uma segunda novela, Ana Raio e Zé Trovão desta vez como ator principal. E sua mais recente participação como ator, foi na novela Rei do Gado, na TV Rede Globo, onde formava a dupla Pirilampo e Saracura com Sérgio Reis.
Gravou ainda Instrumental II (1990, Eldorado), Almir Sater ao Vivo (1992, Sony), Terra dos Sonhos (1994, Velas) e Caminhos me Levem (1997, Som Livre), além de coletâneas montadas muitas vezes à sua revelia.
Nos últimos anos, tem-se dedicado quase que exclusivamente a fazer shows pelo país, com sua banda formada por seu irmão Rodrigo Sater (violão 6 cordas), Carlão de Souza (violão de 12 cordas), Maestro Luiz Lopes (teclados), Papete (bateria e percusão), Reginaldo Feliciano (contrabaixo) e sua irmã Gisele Sater (backing vocals).

About the author

Hedmilton Rodrigues

Sócio Fundador do portal Movimento Country, no ar desde 19 de setembro de 1999.

Add Comment

Click here to post a comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *